Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Vão para sanção

Câmara rejeita modificações do Senado para o novo Ensino Médio

Agência Brasil*
10 jul 2024 às 05:57
- Gabriel Jabur/Agência Brasília
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (9) mais mudanças na reforma do ensino médio. A proposta já havia sido analisada pelo Senado e agora será enviada à sanção presidencial.


O substitutivo do deputado Mendonça Filho (União-PE) mantém o aumento da carga horária da formação geral básica previsto no projeto original, de 1,8 mil para 2,4 mil horas nos três anos do ensino médio aos estudantes que não optarem pelo ensino técnico. A carga horária total do ensino médio continua a ser de 3 mil horas nos três anos. 

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Para completar esses horários, os alunos deverão de escolher uma área para aprofundar os estudos com as demais 600 horas. A escolha poderá ser entre um dos itinerários formativos: linguagens e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias ou ciências humanas e sociais aplicadas.

Leia mais:

Imagem de destaque
Conscientização

Câmara de Londrina aprova Projeto de Lei que tenta minimizar infestação de pombos em Londrina

Imagem de destaque
'Parceiro da Escola'

Diretório Nacional do PT recorre ao STF contra lei que terceiriza 204 escolas do Paraná

Imagem de destaque
Próximo de R$ 3,5 bilhões

Câmara de Londrina aprova LDO de 2025 na última sessão antes do recesso parlamentar

Imagem de destaque
Investigação

Militares reforçam em depoimentos à PF acusações contra Bolsonaro sobre joias


A proposta tinha alterações no Senado Federal, que foram derrubadas pelos deputados. Entre elas, trecho que obrigava o ensino médio a ter no mínimo 70% da grade como disciplina básica e somente 30% para os itinerários formativos. Mendonça excluiu o ponto e, assim, os itinerários formativos poderão abranger mais que 30%.

Publicidade


Mendonça ainda foi contra a inclusão do espanhol como idioma obrigatório, por criar despesa pública de caráter continuado, sobretudo para os estados. Segundo o deputado, o espanhol pode ser obrigatório, desde que a rede estadual adote isso. "Não dá para impor essa regra ao Brasil todo", afirmou. 


O deputado Felipe Carreras (PSB-PE) apresentou recurso para retomar a obrigatoriedade. Ressaltou que o espanhol não é uma imposição de língua obrigatória, mas uma opção em relação ao inglês. "Não estamos obrigando os estudantes a escolher a língua espanhola: 70% dos estudantes que fazem o Enem escolhem o espanhol", pontuou.


*Com informações da Agência Câmara 


Imagem
Quilombolas, indígenas e ciganos terão bolsas para graduação no Paraná
Por meio de uma parceria com a Secretaria de Estado da Mulher, Igualdade Racial e Pessoa Idosa, as comunidades quilombolas e indígenas poderão participar do “Processo Seletivo Diversidade”, do Uninter (Centro Universitário Internacional).
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade