Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Advogado explica

Pets podem ser enterrados em cemitérios humanos?

Redação Bonde com Assessoria de Imprensa
09 jul 2024 às 18:17
- Csaba Gyulavári na Unsplash
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Após Apucarana aprovar o enterro de animais domésticos nos cemitérios junto com seus tutores, a Câmara de Vereadores de Londrina quer apresentar proposta semelhante. O assunto está em debate atualmente em várias cidades brasileiras.


O relacionamento entre seres humanos e pets está mudando a forma como tutores enxergam e tratam seus bichinhos de estimação. Considerados cada vez mais como membros da família, ainda há um limbo jurídico que gera dúvidas e muito o que se avançar na legislação. Um exemplo disso é a discussão sobre onde sepultar os pets. Sem um ordenamento legal específico, os municípios estão legislando sobre o tema, autorizando e definindo regras para o enterro dos animais em cemitérios humanos, públicos e privados. Afinal, os pets podem ser enterrados no mesmo cemitério de seus tutores?

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade

 

Leia mais:

Imagem de destaque
No HV da Unifil

Transfusão sanguínea inédita e cirurgias salvam lobo-guará resgatado em Jacarezinho

Imagem de destaque
175 animais mortos

Após caso no RS, Justiça proíbe Cobasi de vender animais em shoppings

Imagem de destaque
Negligência

Cadela de 5 anos morre durante transporte e família recebe corpo em isopor

Imagem de destaque
Estava com a pata ferida

Gato-do-mato-pequeno é solto pelo IAT de Campo Mourão; veja vídeo

Além de Apucarana, essa possibilidade já é uma realidade em diversas cidades brasileiras, como Florianópolis (SC), Campinas (SP), Matão (SP), Poços de Caldas (MG) e Rio de Janeiro (RJ). “Os municípios estão aprovando e regulamentando essa prática, que se tornará normal num futuro próximo”, observa Renan de Quintal, sócio do escritório Batistute Advogados.

Publicidade


“Hoje em dia, muitos municípios já autorizam o enterro de animais de estimação em cemitérios humanos, nas urnas de seus tutores. Para isso, no entanto, é preciso apresentar uma série de documentações”, explica Renan. 

 

Publicidade

Entretanto, também há limitações estabelecidas por algumas dessas leis. Entre elas, a proibição do enterro no cemitério humano de pets que, de maneira suspeita ou comprovada, tenham morrido por alguma doença que seja transmissível a seres humanos. Outra limitação é o enterro de animais no quintal de casa, prática considerada como crime ambiental em alguns municípios. “Essa é uma discussão nova, com muitas dúvidas e diferentes propostas. Por isso, deve ser um assunto debatido e definido a partir da opinião de especialistas no tema”, sugere o advogado.


Certidão de óbito do animal

Publicidade


Na burocracia, está incluída a certidão de óbito assinada por um veterinário, assim como uma guia de liberação fornecida pelo órgão administrativo municipal, responsável pela gestão dos cemitérios. Há prefeituras que exigem a comprovação de que, de fato, o pet era o animal de estimação da família.

 

Segundo o especialista, há propostas legislativas no Senado Federal para ampliar o status jurídico dos pets para que sejam reconhecidos como seres vivos capazes de ter sentimentos e direitos.


LEIA TAMBÉM:


Imagem
Estádio do Café recebe a final do Campeonato Paranaense de Futebol Americano no fim do mês
O Estádio do Café recebe no dia 28 de julho, às 19h, a final do campeonato paranaense de Futebol Americano, a partida será entre Londrina Bristlebacks e Coritiba Crocodiles. A FPFA (Federação Paranaense de Futebol Americano) lançou também nesta semana,
Imagem
Região de Londrina concentra o maior número de mortes e casos de dengue no PR
Com 74.114 casos confirmados de dengue e 95 mortes, a RS (Regional de Saúde) de Londrina lidera no Paraná tanto em número de mortes, quanto em números de confirmações pela doença. Desde o início do período sazonal, em 30 de julho de 2023,
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade