Pesquisar

Canais

Serviços

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Análise

Mercado imobiliário fala em disparada dos preços de imóveis, terreno e aluguel após reforma tributária

Ana Paula Branco - Folhapress
29 jun 2024 às 18:00
- Reprodução/Canva
siga o Bonde no Google News!
Publicidade
Publicidade

Comprar e construir imóveis vai ficar inviável para muitos se o atual texto da reforma tributária não sofrer ajustes. A afirmação é de representantes do mercado imobiliário que se reuniram na manhã desta sexta-feira (28) no Seminário Real Estate, promovido pelo Lide.

Cadastre-se em nossa newsletter

Publicidade
Publicidade


Leia mais:

Imagem de destaque
Santo Antônio da Platina e Jaguariaíva

Norte Pioneiro: EPR começa a operar serviços na PR-092 no fim de agosto

Imagem de destaque
Concorrente do Steam Deck

Fabricante do Mega Drive no Brasil, TecToy volta ao mercado de games com PC portátil

Imagem de destaque
Já fez sua aposta?!

Sem ganhador, Mega-Sena vai sortear R$ 15 milhões neste sábado

Imagem de destaque
Impacto para o consumidor

Batata-inglesa e leite longa vida elevam inflação no mês de junho

Pelos cálculos do setor, seria preciso aumentar em 15% o preço do imóvel para arcar com a nova carga tributária.

Publicidade


Estudo apresentado no evento pela Frente Parlamentar da Habitação e do Desenvolvimento Urbano Sustentável aponta que, no formato apresentado, o texto da reforma impactaria o aluguel de uma família mais do que dois anos inteiros de inflação controlada. Segundo o levantamento, a nova tributação pode aumentar em 10% o valor de compra dos imóveis.


"O brasileiro já tem dificuldade de comprar imóvel hoje. Se nós aumentarmos o preço para atender a alíquota que foi proposta, será preciso reduzir a atividade. Espero que eles cheguem com o número correto, para que a gente não precise discutir no Senado", disse Luiz França, presidente da Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias).

Publicidade


Hoje, a tributação das atividades imobiliárias é reduzida. A incorporação, por exemplo, está sujeita ao RET (Regime Especial de Tributação), que tem uma alíquota fixa sobre as receitas e inclui o PIS/Cofins. Já a locação não está sujeita a ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) nem a ISS (Imposto Sobre Serviços).


Com os novos tributos de bens e serviços que os bens imóveis passarão a estar sujeitos -CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços) e IBS (Imposto sobre Bens e Serviços)- um imóvel de R$ 200 mil pode pagar 23,2% a mais de imposto, e um de R$ 2 milhões, arcará com o dobro da alíquota atual.

Publicidade


Cálculos da Tendências Consultoria apresentados pelo Secovi-SP apontam que a reforma como está vai dobrar o custo tributário também da administração de imóveis, o que acabará sendo repassado para o cliente final. Da média atual de no máximo 8,65% (se considerada a alíquota de 5% de ISS) passará para 17,49%.


Na locação, o aumento da carga tributária pode chegar a 134%. Um apartamento alugado por R$ 3.500 hoje custaria R$ 3.887 depois da reforma, de acordo com o levantamento.

Publicidade


O setor pressiona pela neutralidade tributária, defendendo que a moradia não pode ser considerada como um serviço. "Os principais objetivos da reforma são simplificação e neutralidade. Para o nosso setor, o que está proposto não tem nenhuma das duas", diz Rodrigo Luna, presidente do Secovi-SP.


A proposta é que o desconto nos tributos para novos empreendimentos imobiliários suba de 20% para 60%. Pelos cálculos da Frente Parlamentar, considerando a alíquota padrão prevista pelo Ministério da Fazenda, de 27,5%, a alíquota para as operações imobiliárias passariam de 22% para 11%. A carga tributária atual é de 6,4% a 8%.

Publicidade


Os deputados federais Fernando Marangoni (União-SP) e Antonio Carlos Rodrigues (PL-SP), presentes no seminário, ouviram os apelos dos representantes e se comprometeram a orientar suas bancadas por ajustes na regulamentação.


Ao vivo de Portugal, o relator da reforma tributária, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), disse estar preocupado que a celeridade da votação na Câmara atrapalhe as devidas correções e provoque "um desencaminhamento da emenda constitucional da reforma".

Publicidade


Até terça-feira (2), os GTs (Grupos de Trabalho) dedicados aos dois projetos de lei de regulamentação da reforma tributária devem concluir os relatórios e discuti-los com o Ministério da Fazenda para apresentar o parecer final ao presidente da Câmara, Arthur Lira na próxima quarta-feira (3). A votação está prevista para ocorrer em 10 de julho.

PROPOSTAS DO SETOR NO PLP 68/2024


AJUSTE NO REDUTOR E ALÍQUOTA PARA MANTER A CARGA TRIBUTÁRIA E O PREÇO DO IMÓVEL


- Redutor de alíquota em 60% nas atividades do setor imobiliário (PLP prevê 20%)
- Redutor de alíquota em 80% na locação de imóveis


CONSTRUÇÃO CIVIL NO REGIME ESPECÍFICO


- Inclusão da atividade no regime específico das operações com bens móveis, conforme previsão constitucional e garantindo isonomia e harmonia na cadeia produtiva da construção


FATOR REDUTOR SOCIAL


- Inclusão de fator redutor de R$ 50 mil a R$ 40 mil para lote residencial
- Inclusão de fator redutor de R$ 1.000 na locação de imóvel residencial


CORREÇÃO MONETÁRIA DOS VALORES PREVISTOS NO PLP PELO IPCA (INFLAÇÃO OFICIAL DO PAÍS)
VALOR DA OPERAÇÃO


- Valor do imóvel é o valor da alienação/operação, e não valor de referência atribuído pelo Fisco


DEDUÇÕES DA BASE DE CÁLCULO E FATOR DE REDUÇÃO


- ITBI (Imposto sobre Transição de Bens Imóveis), doações de áreas públicas, outorgas e contrapartidas exigidas pelo poder público na incorporação e no loteamento


REGIME DE CAIXA


- Tributo devido no momento do pagamento para todos do segmento (incorporação, loteamento, locação, construção, intermediação, administração) do regime especifico de operações com bem imóveis


NÃO INCIDÊNCIA DA TRIBUTAÇÃO DA CBS (CONTRIBUIÇÃO SOBRE BENS SERVIÇOS) E IBS (ENGLOBA O ICMS E O ISS)


- Na permuta e na constituição de garantias
- Na locação residencial realizada por pessoa física - independentemente de preponderância ou de habitualidade


TRANSIÇÃO - REGIMES OPTATIVOS


- Adequação para preservar o equilíbrio financeiro de empreendimentos já iniciados na fase de implementação da reforma


RET SOCIAL


- Aplicação do regime tributário para lotes no modelo hoje existente para a incorporação


INTERMEDIAÇÃO COMPARTILHADA


- Garantir tributação do montante correspondente às respectivas participações nos casos de intermediação compartilhadas por múltiplos corretores, sem a tributação de receita de terceiros


REEQUILÍBRIO DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS


- Estabelecer regras que garantam o equilíbrio entre as partes em contratos com o setor público, com celeridade e eficiência


ALTERAÇÃO DA LEI DO INQUILINATO


- Possibilidade de repasse do tributo para o contratante (hoje não permitida)


Imagem
Parecer de conselho sugere retirada de proibição de bares na rua Paranaguá, em Londrina
Em meio à discussão do novo Código de Posturas (PL 235/23), a polêmica envolvendo o funcionamento de bares na rua Paranaguá ganhou mais um capítulo
Publicidade

Últimas notícias

Publicidade